Cidades São Sebastião

Mães de creche no Canto do Mar em São Sebastião estão preocupadas com os casos de Covid-19 entre funcionários

Mães com filhos de 1 a 4 anos matriculados na Creche Diva Bernardino, no Canto do Mar em São Sebastião estão preocupadas com as suspeitas de casos de Covid entre os funcionários da escolinha. Elas questionam e buscam saber qual o número real de casos confirmados e o motivo para a direção da escola não notificar os pais.

Apesar de a Prefeitura ter emitido uma nota oficial nesta quinta-feira (02) negando os casos nas unidades de ensino do município, o grupo, com pelo menos 13 mães, questiona a falta de transparência da gestão escolar, que a cada vez que foi questionada sobre as suspeitas, apresentou uma resposta diferente.

Kelly Ferreira parou de levar a filha, de 2 anos para a creche desde que soube dos casos, “eu fiquei sabendo por outra mãe que tinham funcionários com Covid, na hora que eu fui buscar a minha filha eu perguntei para as professoras e elas disseram que não poderiam se comprometer e me indicaram a questionar a diretora. Eu falei com a diretora e ela disse que sim, que 4 ou 5 funcionários tinham testado positivo e não disse se estavam afastados ou não. Informou também que os pais poderiam escolher se levam ou não os filhos para a creche”.

Andreia de Sousa e o marido João Henrique, pais de uma menina de 3 anos, souberam dos casos suspeitos e foram até a escolinha, com mais 3 outras mães, questionar a diretoria. “A diretora nos atendeu e disse que os funcionários que pegaram Covid eram da secretaria e não tiveram contato com nenhuma criança. Ela confirmou que 5 funcionários foram contaminados e, segundo ela, a vigilância sanitária teria feito o teste em todos após esses casos. Alegou também que não divulgou a situação aos pais porque recebeu ordens da SEDUC para não alarmar”, explica.

Segundo o grupo de mães, elas tiveram acesso a testes de Covid positivos de, pelo menos 2 funcionários da unidade, datados em 13 e 16 de novembro, o que contraria a nota enviada pela prefeitura alegando que não há casos de funcionários com Covid-19.

Roberta Santos (nome fictício para preservar a identidade da fonte), esclarece, “o que muito me assusta é a omissão. São crianças que não podem tomar a vacina, precisamos saber para acompanhar o estado delas em caso de contato com pessoas contaminadas. As crianças vem tendo febre, tosse, coriza e estava todo mundo sem entender a causa. Os exames não acusavam o problema porque nem pensávamos que poderia ser Covid, sabendo de casos na creche podemos, pelo menos, pedir os testes certos para cuidar dos nossos filhos”, pontua.

Roberta Santos (nome fictício para preservar a identidade da fonte), está com seu filho com febre alta desde segunda-feira (29) aguardando o resultado do teste de Covid-19 e pontua “sabemos que todos estamos suscetíveis a contrair o vírus, o que estamos questionando não é isso, temos o direito à informação de que funcionários foram contaminados para acompanhar os possíveis sintomas nos nossos filhos e realizar os exames e acompanhamento corretos”, finaliza.

Prefeitura de São Sebastião 

A Prefeitura de São Sebastião não respondeu aos questionamentos da reportagem, mas publicou uma nota oficial no site nesta sexta-feira (02) onde diz:

“A Prefeitura de São Sebastião, por meio das secretarias da Educação (SEDUC) e de Saúde (SESAU), esclarece que, diferentemente da informação que circula nas redes sociais, não foram notificados casos de Covid-19 entre alunos da rede pública municipal de ensino, até o presente momento.

Desde o início da retomada das aulas presenciais, no último dia 2 de agosto, a SEDUC e os órgãos de saúde do município vêm atuando com responsabilidade para garantir a segurança de estudantes, professores e colaboradores, por meio de um rigoroso protocolo sanitário, que visa reduzir as chances de propagação da doença dentro das unidades escolares.

As equipes gestoras seguem uma série de orientações e medidas para identificar, monitorar e isolar casos suspeitos no âmbito escolar. Os alunos, professores e colaboradores com sintomas sugestivos de Covid-19 devem procurar imediatamente atendimento médico e, caso necessário, realizar o afastamento temporário das atividades presenciais.

O protocolo, adotado por todas as escolas e creches, inclui comunicar à Vigilância Epidemiológica na ocorrência de dois ou mais casos de síndrome gripal entre os estudantes e funcionários, testados positivamente e com vínculo epidemiológico (entre o mesmo período de transmissão), para rastreamento e isolamento dos contactantes diretos, além de outras diretrizes implementadas de forma integrada entre Educação e Saúde.

Para além dessas ações, está prevista a investigação de surto com testagem de indivíduos assintomáticos da comunidade escolar, a exemplo do que aconteceu na Creche Diva Bernardino e EMEI Mundo Encantado, do Canto do Mar, no último dia 23 de novembro, com a realização de teste de antígeno em 30 funcionários das unidades, obtendo resultados negativos em todos os casos. Com o mesmo grupo, a SESAU realizou ainda a coleta de amostras respiratórias para exame molecular (RT-PCR).

Segundo a diretora de Ensino da Educação, Rosana Salvini, o engajamento das famílias é fundamental para evitar a disseminação da Covid-19 na comunidade escolar. “Os pais também devem se comprometer a não levar o aluno para a escola caso a criança apresente sintomas gripais, além de procurar atendimento na unidade de saúde. Manter a segurança nas escolas depende das boas ações de cada um de nós”.

Com mais de 90% dos profissionais da educação vacinados, o uso obrigatório de máscaras, aferição de temperatura, higienização constante dos ambientes e mãos seguem em vigor.